Crítica da Série: ‘O Inocente – Minissérie’

Oi gente! Hoje é sexta-feira, dia de chegar em casa e querer assistir algo bem legal. Nem sempre a gente sabe muito bem o que é, e aí fica lá zapeando pelos canais ou serviços de streaming buscando por algo. Hoje você pode chegar em casa com a escolha já pronta, porque eu vim falar de uma série nova e que me deixou completamente presa ao enredo. Eu estou falando de O Inocente, uma série protagonizada pelo Mario Casas, e que é mais uma adaptação das obras de Harlan Coben. Fiquem com a  sinopse e trailer que já conto mais…

“Em O Inocente, começar de novo seria a única salvação possível, mas nenhum deles pode. A história de Mateo (Mario Casas) que, há nove anos, intercedeu uma briga e acabou se tornando um assassino. Além dele, Olivia (Aura Garrido), Lorena (Alexandra Jiménez) e Aguilar (Jose Coronado) são os protagonistas desta série de suspense baseada no livro de de Harlan Coben.”

Quem acompanha as minhas críticas aqui no Além, já deve ter percebido que vejo muitas produções espanholas e ao longo dos anos, mais e mais filmes e séries espanhóis tem ganhado destaque na Netflix. A maioria deles como produções originais do serviço de streaming. E a nova aposta é O Inocente, uma adaptação do livro de mesmo nome do autor Harlan Coben (depois falo um pouco mais dele e de sua relação com a Netflix). A série chegou ao catalogo na sexta-feira, 30 de abril, e desde então, não saiu do Top 10 dos mais assistidos no Brasil. Hoje enquanto terminava de assistir os dois últimos episódios, ela estava em 6º lugar e acho que ainda vai demorar uns dias para sair desse top, porque é uma série para quem gosta de histórias cheias de plot twist e que seguram o telespectador na frente da televisão. 

Na verdade é uma minissérie, ou seja, tem começo, meio e fim. Ao longo dos oito episódios vamos acompanhar Mateo Vidal (Mario Casas), um jovem que será preso e condenado pela morte de um rapaz. Ele e o irmão estavam numa boate e acabam se envolvendo numa briga e, ao tentar se livrar de um de seus agressores, Mat empurra o outro rapaz e ele cai batendo a cabeça, morrendo na hora. Mat é preso em flagrante e condenado a cumprir quatro anos por homicídio culposo. A vida dele muda completamente a partir daí, mas não pense que a trama vai se voltar para desejos de vingança por parte de Mat, porque vai muito além disso. Ele vai cumprir pena, vai sair da cadeia, vai recomeçar, mas o fato de ter matado Daniel (Eudald Font) voltará para assombrá-lo. 

Nova-Imagem-da-serie-O-Inocente

Apesar de parecer que ele é o personagem principal, a narrativa da série nos mostra todos os outros personagens que ajudarão a movimentar a trama. A cada início de capítulo um deles é apresentado com muitos flashbacks e tudo isso nos ajuda a entender a história geral da série e é aí que entra Olivia Costa (Aura Garrido), a mulher que se tornaria esposa de Mat. Basicamente toda a história vai girar em torno dessa personagem e em vários momentos esquecemos totalmente que tudo começou com o momento em que a vida de Mat mudou. É como se estivéssemos acompanhando duas histórias paralelas, mas que vão se interligando a cada nova descoberta. Como se todos os personagens fossem peças num tabuleiro e a movimentação de cada uma delas interfere diretamente no destino das outras.

E digamos apenas que Olivia não é realmente a mulher comum que Mat sempre achou que era. Eles se viram pela primeira vez quando Mat foi autorizado a sair do presidio para o velório dos pais, depois disso nunca mais se viram haja visto que ele precisou voltar para cumprir pena – não que ele tenha contado isso para ela – e também porque ela mesma tinha seus próprios segredos. Depois esse mesmo momento será contato pela perspectiva de Olivia. Vale ressaltar que muitas cenas são contadas incialmente com uma narrativa para fazer o telespectador acreditar em que está contando a história primeiro e conforme vamos encaixando as peças, essas mesmas cenas vão sendo contadas novamente por um outro narrador. 

serie-o-inocente-da-netflix-baseada-no-livro-de-harlan-coben-487244

A vida de Mat parecia ter seguido em frente, mesmo diante de tantas perdas, mas isso muda a partir de uma viagem de Olivia. A esposa vai à Berlim a trabalho, mas assim que o casal se afasta, Mat recebe uma ligação muito estranha vindo no celular de Olivia. A partir daí, ele começa uma busca frenética pelo paradeiro da esposa e quanto mais procura, mais descobre coisas do passado de Olivia. Paralelamente acompanhamos a investigação da morte misteriosa de uma freira e aparentemente não tem nada a ver com o nosso casal, mas novamente a narrativa nos mostra que cada peça não está ali por acaso.

Somos apresentadas a traumática história da detetive Lorena Ortiz (Alexandra Jiménez), que será responsável por investigar o que aconteceu com a freira, já que aparentemente trata-se de um suicídio, mas ela não construiu a carreira que tem, acreditando no óbvio. Não demora muito para que ela comece a encaixar as peças e veja que a freira não se matou e nem que levava uma vida muito casta, então Lorena cava cada vez mais fundo e vai descobrir que essa morte está ligada a muitos outros crimes. Uma rede enorme de prostituição e até mesmo de tráfico de mulheres, que envolve muita gente influente do país, ou seja, muitas pessoas podem estar envolvidas na morte da suposta freira. 

imagem-de-o-inocente-3

Estamos falando de um thriller, então tudo vira spoiler. Não tem jeito. A história criada pelo autor Harlan Coben nos carrega para uma trama complexa e que mostra como suas escolhas do passado podem voltar para assombrá-lo. O showrunner Oriol Paulo é o responsável por essa adaptação e de nos carregar para essa densa teia de aranha. E a história ainda nos mostra o lado mais sombrio e podre da figura masculina. Um dos episódios é praticamente para mostrar tudo que o homem é capaz de fazer a uma mulher e isso vai de abuso de menores, tráfico de mulheres, violência física e até assassinato. E não pense que isso foi jogado lá aleatoriamente porque vou lembrá-los de que todas as peças do tabuleiro tem sua função e são importantes. 

The-Innocent-Netflix-Six

Enquanto a figura masculina foi mostrada no seu ápice de podridão, nós tivemos a figura feminina sendo explorada de todas as maneiras possíveis e, ainda sim, se reerguendo e mostrando sua força. As personagens femininas tem seus arcos envolvidos em todas as tramas e, sinceramente, são as que mais sofrem nessa história. Seja Sonia (Ana Wagener), tendo que lidar com perda de seu jovem filho e mesmo assim aprendendo a perdoar o assassino dele, Mat. Ou Lorena, que cresceu sabendo que seu pai tirou a própria vida e escondeu todos os sentimentos e emoções na fachada da fria detetive Ortiz. Já Olivia, que escondeu todo o seu passado e teve coragem para reiniciar a vida. Todas elas foram ao inferno e voltaram, mas se mostraram capazes de perdoar, perseverar e seguirem em frente, mesmo com a bagagem lotada. Foram heroínas em suas histórias. 

E voltando a mente que, inicialmente, desenvolveu tudo isso: Harlan Coben. Ele é um dos maiores autores de romance policial, ganhou diversos prêmios e já vendeu mais de 75 milhões de livros no mundo. Depois que o autor fechou contrato com a Netflix para escrever e desenvolver a série Safe, ele renovou com a gigante do serviço de streaming para adaptar 14 livros e desde então várias séries foram lançadas: Não Fale com Estranhos, Silêncio na Floresta e O Inocente. E o mais legal é que cada uma de suas histórias será desenvolvido por um país diferente. O Inocente ficou a cargo da Netflix Espanhola, então toda a produção e elenco são espanhóis. E eu vou te falar, cada vez mais estou rendida as produções desse país, pois estão cada vez melhores. Harlan será mais reconhecido ainda, conforme seus livros forem chegando nesse novo formato. 

El_inocente_TV_Miniseries-350402576-large-1200x800

O Inocente além de ter um trama complexa, tem um elenco incrível e eu destaco muito a interpretação de Alexandra Jiménez e do próprio Mario Casas (sem perder meu momento tiete: que homem, Brasiiiiiiil!! rs). E para completar o pacote temos uma fotografia linda que explora as ruas de Barcelona e um tantinho de Marbella. E também temos o lado muito perturbador já que tudo é jogado na sua cara, não tem alerta de gatilho e isso deixa o telespectador chocado em muitos momentos. E a critica social veio quando o Oriol Paulo adaptou a história que, originalmente se passava nos EUA (livro), para as cidades da Espanha, pois pode desenvolver melhor o arco sobre tráfico de mulheres para a prostituição. A Espanha é o terceiro país no mundo e o primeiro da Europa no ranking de consumo de prostituição, então foi bem interessante que isso fosse explorado na série. 

Enfim, O Inocente está há exatos 14 dias no TOP 10 Brasil e vai continuar como uma das mais assistidas, já que o enredo é daqueles que nos carrega pra dentro da história, nos faz sentir uma agonia danada e ao mesmo tempo nos faz analisar cada ação dos personagens, vide o próprio pôster da série que já nos faz ficar pensando do porque todo mundo estar saindo da cabeça de Mat. Ninguém é totalmente inocente assim como ninguém é totalmente secundário. Foram muitas reviravoltas e apesar de ter entendido o final no penúltimo episódio foi bom ter um episódio a mais para entender os motivos por trás daquilo tudo. Sem falar que, apesar de Mat ter ficado um pouquinho apagado em vários momentos, a cena final me fez ficar de queixo caído. Eu indico muito essa série para quem gosta de tramas cheias de reviravoltas, personagens densos e que não se choquem com imagens fortes. 

Um comentário em “Crítica da Série: ‘O Inocente – Minissérie’

  1. Olá,
    Eu adoro os livros do Coben e, mesmo não lembrando tanto da história por conta do tempo que li, lembro que esse livro é um dos meus favoritos e que mais me surpreenderam. Assisti essa série semana passada e apoio cada palavra do seu post. Me prendeu, os temas ficaram impressionantes e me enojaram, o que é bom pelo realismo. Ah, e preciso concordar: que homem haha.

    Beijo!
    http://www.amorpelaspaginas.com

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s