Crítica da Série: ‘Elite – 3ª Temporada’

Oiii oi gente. Olha eu aqui, mais uma vez, para falar dessa série espanhola que é um enorme sucesso, desde a sua estreia na Netflix, lá em 2018. A 3ª Temporada de Elite chegou semana passada, numa sexta feira 13, para aliviar o clima de início de quarentena e distrair nossa mente. Já adianto que esta matéria terá spoilers das temporadas anteriores, mas tentarei ser o mais vaga possível. Dito isso, antes de prosseguir com a leitura, da só uma olhada nesse trailer estupendo.

Após a revelação chocante sobre o assassinato de Marina, que gerou ainda mais tensão entre os estudantes, uma nova tragédia abala Las Encinas: a morte de outro aluno acaba trazendo vários dramas à tona, enquanto uma busca pelo culpado se inicia.

Então, primeiro de tudo, bora para um resumão da temporada passada? Bom, finalmente tivemos o fim do mistério em torno da morte de Marina (María Pedraza). Todos em Las Encinas finalmente descobriram que Polo (Álvaro Rico) foi o responsável pelo crime, sendo acobertado por Carla (Ester Expósito), Christian (Miguel Herrán) e, mais tarde, por Ander (Arón Piper). Cada um com seus motivos: Carla, a fim de proteger um dos seus; Christian sendo levado pela situação, sendo o que mais sofreu com as consequências; e Ander, que teve essa bomba jogada em suas mãos e não soube lidar muito bem com isso. Acompanhamos o sofrimento que toda a descoberta causou, as alianças que se formaram e todos os perrengues que resultaram naquela impactante cena final, onde vemos Polo voltando para o colégio, após ter sido preso, e enfrentando a todos com o semblante de quem não tem nada a perder.

Então, a Terceira Temporada já começa pegando fogo, com todos revoltados por conta da injustiça de ver Polo livre, como se nada tivesse acontecido. Como bem sabemos, Cayetana (Georgina Amorós) ajudou Polo, escondendo a arma que o incriminaria, e agora eles estão mais próximos do que nunca, e ela segue sendo a única ao seu lado. A princípio, Polo age como se fosse inocente, e precisa que Carla diga que mentiu em sua acusação, para que ele seja inocentado. Carla quer acabar com a farsa e continuar dizendo a verdade, só que ela será confrontada com outra situação familiar, que pode acabar fazendo-a mudar de ideia.

Guzman (Miguel Bernardeau) e Samuel (Itzan Escamilla) seguem compartilhando seu ódio por Polo e depositam suas esperanças em Carla, acreditando que ela vá se manter firme em seu depoimento perante o juíz, o que não é bem isso que acontece. Se antes não sabíamos quais eram as reais intenções do pai de Carla, nessa temporada fica tudo muito claro, e ele vai usar as armas que tem para manter a filha fazendo tudo o que ele quer. Carla vai sofrer bastante com tudo o que acha que precisa fazer para salvar sua família. E ah, já adianto que se você é fã de Carla e Samuel, vai ficar um tanto frustrado, pois teremos Samuel dando uma chance para Rebeka (Claudia Salas) dessa vez, o que também não me agradou em nada, principalmente por conta de algo que Samuel faz. E se antes eu já estava irritada com ele, depois disso, peguei um ranço gigante. Pelo menos, isso servirá para que Rebeka saiba o caminho que ela realmente quer seguir.

Agora, se você, assim como eu, ama Nadia (Mina El Hammani) e Guzman, pode se preparar para algumas cenas de aquecer o coração, que me deixaram com um sorriso bobo no rosto, porque, mesmo com tudo separando esse casal, eu ainda tenho esperança de um final feliz para esses dois. Nadia continua sendo nossa fada sensata, e, contra tudo o que se podia imaginar, ela e Lucrécia (Danna Paola) vão protagonizar alguns momentos incríveis de união e, acreditem se quiser, amizade. Lu também vai passar por momentos difíceis, que farão com que ela evolua demais nessa temporada, e eu fiquei muito orgulhosa dela.

Pra quem estava sentindo falta de um trisal nessa série – após Carla, Polo e Christian darem um show lá na primeira temporada – temos um novo trisal, com Polo, Caetana e… Valerio (Jorge Lopez). Isso mesmo, você não leu errado rs. Ainda não tenho certeza se isso aconteceu mesmo ou foi só um delírio meu haha. Cheguei a conclusão que Polo não conseguia ter um relacionamento monogâmico. No mais, foi interessante acompanhar esse arco da trama, e ver como as pessoas se apegam a tudo o que podem para alcançar algo que desejam. Cayetana acabou por me surpreender no final, assim como Valério, que mostrou um lado vulnerável, do qual já tínhamos visto um vislumbre antes, e provou para mim que ele era capaz de muito mais do que demonstrava.

Eu comecei essa temporada com uma grande preocupação, e esse sentimento era por causa de Ander. Anteriormente, o vimos ter um sangramento no nariz, e o ator (Arón Piper) que o interpreta apareceu com a cabeça raspada nas gravações, então isso já me fez esperar pelo pior. E realmente, Ander vai enfrentar uma doença grave, que o fará repensar tudo em sua vida, e como o relacionamento dele com Omar nunca foi um mar de rosas, é o elo que mais passará por provações. Quem vai me decepcionar dessa vez será o Omar (Omar Ayuso), que tomará umas atitudes bastante canalhas.

Nessa temporada também tivemos a adição de dois novo personagens: Malick e Yeray. Malick (Leïti Sene) irá se aproximar de Nadia e criar algumas confusões, e preciso dizer que não gostei nadinha dele, enquanto que Yeray (Sergio Momo) fará parte do núcleo da Carla, sendo essencial para o rumo que ela irá tomar na série, conseguindo me conquistar ao longo dos episódios. No fim, foram adições importantes a trama.

Sabemos que a premissa de Elite, segue um mesmo padrão: acontece um crime, uma investigação é iniciada e todos os suspeitos são interrogados. O mistério é sempre sobre quem é o responsável pelo crime, e não sobre o crime em si. Na primeira temporada tivemos a morte de Marina, na segunda temporada o sumiço de Samuel, e agora tivemos mais uma morte, e dessa vez, a vítima já nos foi revelada logo no trailer – o que me deixou chocadíssima. Então eu comecei essa temporada mais ansiosa que o normal, e logo no primeiro episódio, durante uma festa, podemos ver Polo caindo do andar superior de uma boate, e morrendo, com todos que o odiavam a sua volta. A inspetora (Ainhoa Santamaría) logo chega ao local e inicia a investigação.

A trama segue a mesma linha de narrativa das temporadas anteriores, com duas linhas temporais, contando a investigação e os acontecimentos que levaram a esse crime, paralelamente, como se cada suspeito narrasse uma parte da história para nós, e isso ficou mais demarcado dessa vez, pois cada um dos episódios leva o nome de um personagem, e isso determina qual ponto de vista teremos durante a fatídica festa, que terminou com a morte de Polo. Por exemplo, o primeiro episódio leva o nome de Carla, então teremos o foco nela, acompanhando algumas de suas ações durante a festa, que a tornam uma suspeita, e terminando com seu depoimento. E assim seguimos até o fim, com cada episódio trazendo o foco em um determinado personagem, mostrando que ele pode ser um suspeito, até chegarmos a uma conclusão do crime.

E gente, podem esperar uma conclusão incrível, tá? Porque cada ponta solta, deixada ao longo dos episódios, vão ser amarradas de uma só vez, e eu dei até um gritinho de êxtase rs. Que final inesperado e muito satisfatório! Mas também foi um final que me deixou com um sentimento agridoce, porque, sim, existe um gancho para uma continuação, mas também há um ar de despedida, sabe? Como se fosse final de série mesmo, que me deixou com um nó na garganta.

Por mais que a Netflix não tenha confirmado nada, a imprensa espanhola afirma que Elite terá a quarta e a quinta temporada, só que apenas parte do elenco atual retornará e a outra, poderá fazer participações especiais. Isso porque novas adições serão feitas a série, dando início a uma nova história a ser contada. Não irei citar quais personagens ficam e quais saem, pra não dar spoiler do final da temporada, mas posso dizer que não estou tão animada com este novo cenário que está por vir, então só nos resta aguardar, e se for pra ter mais temporadas mesmo, com o elenco modificado, que, pelo menos, mantenham o nível de qualidade que a série teve até agora.

Pra finalizar, eu declaro o meu amor incondicional por essa série, e se você ainda não assistiu, não perde mais tempo e corre maratonar, que vale muito a pena. Eu disse que a premissa costuma ser a mesma em todos as temporadas, mas o enredo não fica repetitivo de forma alguma, sempre com uma trama inteligente e bem produzida, e é isso que deixa a série ainda mais interessante e viciante. Então aproveita essa quarentena e se joga em Elite. Até a próxima!