Especial: ‘Trilogia Como Treinar o Seu Dragão’

Olááá pessoal!!! Pra quem não sabe, nós aqui do Além, somos looooucas por filmes infantis. Pouco importa se a gente não tem mais idade pra isso, afinal de contas, a criança que nós fomos um dia, ainda habita dentro de nós rs. Assim, hoje vim trazer pra vocês uma matéria especial sobre uma trilogia que eu amo de paixão: Como Treinar o Seu Dragão. Para quem não sabe, o terceiro filme está nos cinemas e eu já fui assistir (claro!) e recomendo para todas as pessoas, não importa a idade. A história é linda, cheia de reflexões e ensinamentos. Eu já estou querendo ir no cinema assistir de novo, então para aplacar um pouquinho essa vontade, resolvi escrever sobre esses três filmes. Então, vem cá conferir um pouquinho dos três filmes do Banguela, o dragão mais amado por… bem, por mim rs. 

***ATENÇÃO: Eu falei apenas o essencial, maaaaaans pode ser que tenham alguns spoilers dos filmes durante a matéria***

Como Treinar o Seu Dragão – 2010

how-to-train-your-dragon

O primeiro filme dessa trilogia foi lançado aqui no Brasil em 2010 e nos traz uma história que se passa na Ilha de Berk, onde vikings vivem para se defender e combater dragões. Todos, desde crianças, são treinados para matar essa praga que assombra seu povo há séculos. Mas acontece que sempre tem aquele diferentão, né? Pois bem, Soluço é o filho de Stóico, que nada mais é que o líder de Berk e o viking mais poderoso que eles conhecem. Todos esperam que o filho do líder seja tão forte e corajoso quanto o pai, porém Soluço é totalmente o oposto disso. Todo miúdo e estabanado, ele sempre acaba colocando fogo em alguma coisa e mais atrapalhando que ajudando nas batalhas dos vikings x dragões. 

Decidido a mudar essa questão de “de viking não tenho nada”, Soluço inventa uma arma para capturar dragões e no meio de uma batalha, ele acaba acertando um dragão. Só que, infelizmente, ao fazer isso, ele também acaba destruindo uma boa parte da ilha e ninguém nem presta atenção quando ele diz que capturou um Fúria da Noite, o dragão mais temido e perigoso da história. 

Depois de cessado o caos, Soluço vai dar uma volta por onde ele acredita que o dragão deve ter caído e, apesar de saber que tinha mesmo capturado a fera, fica surpreso quando vê aquele dragão lindo, preto e forte amarrado na sua armadilha. Mas quando ele vai matar o dragão para mostrar a todos de Berk que ele, afinal, é sim um viking, ele não consegue e o liberta. Ou seja, de viking ele não tem nada mesmo rs.

Mas o Fúria da Noite, mesmo depois de liberto, não pode ir longe, já que ao cair, ele machucou sua cauda e, por isso, não consegue voar. Assim, Soluço vai alimentando o dragão que ele passa a chamar carinhosamente de Banguela (pois suas presas são retráteis) e treinando-o, tentando arrumar uma forma de fazer com que ele voe novamente. Uma amizade linda e inesperada nasce entre eles e cresce a cada dia mais, formando uma lealdade e cumplicidade de causar inveja a qualquer um.

Mas nada é perfeito, afinal de contas, toda a Ilha de Berk é inimiga dos dragões e as pessoas que lá vivem – principalmente seu pai, Stóico – não vão ficar nada felizes ao descobrirem que Soluço virou best friend de uma das feras que matou tantos deles no passado. 

Esse primeiro filme nos mostra que, às vezes, o que nós consideramos como nossas fraquezas, por ser ‘diferente’ do ‘normal’ é, na verdade, nossas maiores qualidades e trunfos para vencermos os desafios da vida. Tudo que era julgado como defeito no Soluço por não ser um verdadeiro viking, no fim, foi a melhor coisa que aconteceu a todos de Berk e eles aprenderam que eles poderiam continuar sendo vikings, mesmo indo contra tudo que eles pensaram ser o certo para todos durante tantos anos. 

“Na ilha de Berk, os vikings dedicam a vida a combater e matar dragões. Soluço (Jay Baruchel), filho do chefe Stoico (Gerard Butler), não é diferente. Ele sonha em matar um dragão e provar seu valor ao pai, apesar da descrença geral. Um dia, por acaso, ele acerta um dragão que jamais foi visto, chamado Fúria da Noite. Ao procurá-lo, no dia seguinte, Soluço não consegue matá-lo e acaba soltando-o. Só que ele perdeu parte da cauda e, com isso, não consegue mais voar. Soluço passa a trabalhar em um artefato que possa substituir a parte perdida e, aos poucos, se aproxima do dragão. Só que, paralelamente, Stoico autoriza que o filho participe do treino para dragões, cuja prova final é justamente matar um dos animais.” 

Como Treinar o Seu Dragão 2 – 2014 

painel-como-treinar-seu-dragao-2-5x1-5m-3d-tecido.jpg

Esperamos 4 anos ansiosamente por uma continuação desse hino de filme, mas não esperamos em vão. O segundo filme de Como Treinar o Seu Dragão não decepcionou ao trazer um Soluço adolescente e explorador, com uma Ilha de Berk completamente mudada que dá orgulho de ver. Vikings e dragões estão vivendo em paz por lá e as risadas estão garantidas para os telespectadores ao vermos dragões de estimação por todo lado (Eu quero um também!!!!)

Soluço fez da sua missão, desbravar o mundo. Montado no seu fúria da noite mais fofo da vida, agora nada tem limite para ele e ele vive em busca de descobrir novos lugares e dragões. Mas nem tudo nessa vida é festa, né? E seu pai quer que ele comece a se preparar para assumir a liderança de Berk, afinal, Stóico não estará lá para sempre e Soluço é a melhor opção como seu sucessor. 

Assim, fugindo do pai e dessa história de responsabilidade para com a Ilha de Berk, Soluço e Banguela estão fora, sempre que possível, aproveitando os últimos momentos de descontração da juventude, voando e explorando até que, um dia, acabam dando de cara (e fuça) com caçadores de dragões. Esses caçadores, trabalham para um tal de Drago Sangue-bravo que está formando um exército de dragões. Creendeuspai! Não são apenas os vikings de Berk que aprenderam a dominar os dragões, só que, ao contrário deles, Drago usa a ‘lealdade’ do dragão para o mal e da maneira mais cruel possível.  

Mas Soluço, a mais nova personificação do ‘sabe de nada, inocente’, acha que pode ter uma conversa decente e civilizada com Drago para convencê-lo de que dragões e vikings podem viver juntos, sem guerras e sem mal tratos aos bichinhos. Mesmo com Stóico alertando-o de que Drago é frio e realmente um cara do mal que não vai mudar de ideia, Soluço acha que pode sim resolver tudo na base da conversa.

Assim, Soluço-teimoso-de-uma-figa vai atrás de Drago, montado no seu Banguela e se depara com algo totalmente inesperado: sua mãe – que, até então, todos pensavam que havia sido morta – e uma caverna que os leva para o paraíso dos dragões. Um lugar, lindo, mágico e perfeito onde sua mãe tem vivido desde que ele era um bebê e ela foi levada de Berk por um dragão, depois de não ter conseguido matá-lo. Soluço, finalmente, descobre de onde veio seu jeito tão diferente das pessoas ao seu redor. Esse reencontro é cheio de emoções e risadas, mas Drago logo aparece para tacar o terror e nos fazer chorar  igual bebês com uma perda terrível. 

“Cinco anos após convencer os habitantes de seu vilarejo que os dragões não devem ser combatidos, Soluço (voz de Jay Baruchel) convive com seu dragão Fúria da Noite, e estes animais integraram pacificamente a rotina dos moradores da ilha de Berk. Entre viagens pelos céus e corridas de dragões, Soluço descobre uma caverna secreta, onde centenas de novos dragões vivem. O local é protegido por Valka (voz de Cate Blanchett), mãe de Soluço, que foi afastada do filho quando ele ainda era um bebê. Juntos, eles precisarão proteger o mundo que conhecem do perigoso Drago Bludvist (Djimon Hounson), que deseja controlar todos os dragões existentes.”

Como Treinar o Seu Dragão 3 – 2019

Como-Treinar-o-Seu-Dragão-3 (2).jpg

Depois de um final triste e, ao mesmo tempo, inspirador no segundo filme, fui ao cinema ver esse terceiro com um sentimento de tristeza por ser o momento de dizer adeus. Para finalizar com chave de ouro, dessa vez temos Soluço como líder da Ilha de Berk fazendo com que, com certeza, seu pai se sinta orgulhoso de quem ele se tornou. 

Dessa vez, a missão de vida do Soluço não é mais desbravar o mundo e sim, resgatar o máximo de dragões possíveis dos caçadores que existem por aí. Numa dessas ‘expedições’ de resgate, conhecemos a futura crush do Banguela. Uma fúria da noite branca… bem, talvez Fúria da Noite não combine tanto com ela, talvez Fúria do Dia? Esquisito… então, eles a chamam de Fúria da Luz. 

Banguela se apaixona minha gente, e meu coração de mamãe já dói ao ver meu neném tão crescidinho, já querendo namorar por aí rs. Ele se encanta e para poder correr atrás da sua nova paixão, Soluço acaba deixando-o livre para correr atrás da sua crush, com a certeza de que ele voltará para casa.

Em paralelo a isso, temos uma nova ameaça para o povo de Berk. Em uma das missões de salvamento dos dragões, Soluço e seus amigos acabam esbarrando com Grimmel, que nada mais é que o responsável por exterminar todos os fúrias da noite existentes. Banguela é o último sobrevivente e Grimmel quer mudar isso, matando-o também. Sua arma? A Fúria da Luz (socorrinho!!! Salvem meu Banguela!). E nós assistimos a esse filme com o coração na mão, tanto por Banguela que não faz a mínima ideia de onde está se metendo, pela sua crush, que se apaixona pelo inimigo e pela sua liberdade recém-descoberta, e pelo povo de Berk, que é obrigado a mudar de ilha para se proteger desse novo vilão. 

Confesso que chorei horrores nesse terceiro filme porque é o final mais lindo e incrível que poderiam ter dado a essa trilogia tão especial. O verdadeiro significado de amor e amizade, nos é apresentado da forma mais emocionante e, esse sim, meus amigos, eu chamo de final feliz para todas as partes envolvidas. Eu li uma matéria que dizia que esse filme é sobre a sabedoria de se dizer adeus. Por mais que nós não gostamos de pensar nisso, tudo é passageiro nessa vida e precisamos entender que, o adeus é necessário para evoluirmos como pessoa.  

Gostaria de poder me estender mais nesse deslumbramento que eu tive nesse filme, mas aí eu daria spoilers importantes e eu prometi a mim mesma que não os daria por aqui rs. 

“Decidido a fazer de Berk um verdadeiro libelo ao ideal da convivência pacífica entre homens e dragões, Soluço e seus amigos seguem atrás de caçadores, para não só libertar suas presas mas também impedir a matança desenfreada dos animais. O esforço do grupo desperta a atenção de Grimmel ao descobrir que entre eles está Banguela, um legítimo Fúria da Noite. O vilão então desenvolve um plano para capturá-lo a todo custo, usando como arma uma fêmea capturada, da mesma espécie.” 

Você, que tem crianças em sua vida, use-as como desculpa para assistir a esses filmes, e apresente-os ao povo de Berk e seus dragões. Se você não tem criança nenhuma, faça como eu: taque o dane-se e assista assim mesmo rs. Vocês terão uma grande lição de lealdade, amizade, amor e companheirismo. Acima de tudo, aprenderão que não tem problema em ser diferente. Às vezes, ser diferente é bom, é até melhor. E, mesmo que não seja, pelo menos vocês estarão sendo vocês mesmos. Afinal, o fardo mais pesado que muitas pessoas carregam hoje em dia, é a máscara que têm que usar todos os dias para serem aquilo que os outros esperam que eles sejam. 

Como Treinar o Seu Dragão me ensinou que não existe verdade absoluta. Mesmo que você tenha sido criado em uma sociedade formada de terminada forma, não significa que ela não possa crescer e melhorar. Nós fomos formados para evoluir e tudo que é antigo é preciso ser deixado lá no passado. Passado esse, que nos faz ser quem somos e nos ensina a ser pessoas melhores. Não há nada de errado em mudar de opinião, o ruim é ser totalmente fechado a novas oportunidades e novas formas de ver a vida.  

como-treinar-o-seu-dragão-3-003

Então, que tal aproveitar esses dias de folga para fazer uma leve maratoninha dos dois primeiros filmes e correr pro cinema assistir ao encerramento mais lindo que eu já vi até hoje? Aproveita que, no momento, o primeiro filme está disponível na Netflix – assim como uma série mega especial chamada Dragões: Corrida até o Limite, que já conta com 6 temporadas – e já corre pra assistir rs. Se você for ao cinema, não esquece dos lencinhos e depois vem aqui me contar tudo que vocês acharam sobre as aventuras de Banguela, Soluço e todo o povo de Berk. Um ótimo carnaval pra vocês e até a próxima!

giphy.gif

12 comentários em “Especial: ‘Trilogia Como Treinar o Seu Dragão’

  1. Oi Letícia, tudo bem?

    Eu sou apaixonada pelos dois primeiros filmes da trilogia e fico encantada toda vez que vejo. Inclusive, sempre coloco todo mundo para assistir comigo. Ainda não vi o terceiro, mas estou mega ansiosa, ainda mais depois dessa sua resenha e opinião. Se você chorou, tenho certeza que irei me acabar, pois sou uma verdadeira manteiga derretida, principalmente com animações. São filmes que sempre me inspiraram e me trouxeram uma força enorme e ler seu post só reforçou o quanto amo os filmes. Vou maratonar os dois primeiros!

    Beijos!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Eu adorei os filmes do Banguela, mas não me emocionei tanto quanto em outra animação – mas mesmo assim assisto pois animações são demaissssssss! É um mundo fantástico.

    Curtir

  3. Oi, tudo bem?
    Essa é a minha série de filmes favorita. Eu amo demais o Soluço, Banguela e o terceiro filme foi perfeito para encerrar a história. Quero ter todos os livros, faltam uns 3 de toda série completa que saiu pela Intrínseca. Adorei o post, deu vontade de rever os livros. Beijos

    Curtido por 1 pessoa

  4. Olá!
    Nunca senti vontade de assistir esse filme, mas vejo e percebo que muiras pessoas se agradam e se emocionam com os filmes, irei da um conferida, qhem sabe não me conquiste.

    Beijos

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s