Resenha ‘Grey – E.L. James’

Oi ooooi gente! Hoje trago para vocês a resenha de Grey. O livro foi lançado em 2015, meses depois do primeiro filme da trilogia Cinquenta Tons chegar aos cinemas. Como nosso nome indica, gostamos de várias coisas Além disso, mas foi Cinquenta Tons que uniu esse monte de meninas, que criaram amizades para vida toda. Então, como o segundo livro narrado por Christian Grey, Mais Escuro, será lançado agora em janeiro pela Editora Intrínseca, nada mais justo que a resenharmos o primeiro. Vamos a sinopse…

Na voz de Christian, e através de seus pensamentos, reflexões e sonhos, E L James oferece uma nova perspectiva da história de amor que dominou milhares de leitores ao redor do mundo.
Christian Grey controla tudo e todos a seu redor: seu mundo é organizado, disciplinado e terrivelmente vazio – até o dia em que Anastasia Steele surge em seu escritório, uma armadilha de pernas torneadas e longos cabelos castanhos. Christian tenta esquecê-la, mas em vez disso acaba envolvido num turbilhão de emoções que não compreende e às quais não consegue resistir. Diferentemente de qualquer mulher que ele já conheceu, a tímida e quieta Ana parece enxergar através de Christian – além do empresário extremamente bem-sucedido, de estilo de vida sofisticado, até o homem de coração frio e ferido.
Será que, com Ana, Christian conseguirá dissipar os horrores de sua infância que o assombram todas as noites? Ou seus desejos sexuais obscuros, sua compulsão por controle e a profunda aversão que sente por si mesmo vão afastar a garota e destruir a frágil esperança que ela lhe oferece?

Em Grey, temos a história de Cinquenta Tons de Cinza contado por Christian Grey. O bilionário, de 27 anos, com um império construído através da sua empresa, a Grey Enterprises Holdings, Inc. Ele foi adotado ainda muito novinho por Grace e Carrick Grey, após viver anos traumatizantes com sua mãe biológica que se prostituía e se drogava. Christian vive no seu mundo de muito poder, até no seu lado íntimo. Afinal, ele é um dominador.

330.JPG

Christian vê seu destino cruzar com o de Anastasia Steele quando ela vai até a Grey House – o nome do prédio de sua empresa – para entrevistá-lo pelo jornal da faculdade. Mesmo sendo estudante de Literatura, Ana topa fazer a entrevista com o empresário para poder ajudar sua melhor amiga, Kate, que esta doente. Ana é uma doce menina, de 21 anos, que esta prestes a se formar na faculdade e se mudar para Seattle.

Nunca senti tanto desejo, tanta… avidez. É um sentimento novo, novo e reluzente. Quero tanta coisa dela: confiança, obediência, submissão. Quero que ela seja minha, mas justamente nesse momento… sou dela. 

Ana é uma menina mais ingênua do que Grey está acostumado a lidar. Mas mesmo percebendo isso, ele a deseja e vai atrás dela. Até quando ele tenta ficar longe dela, ele não consegue. Então, ele volta a encontrá-la e decide apresentar todo o mundo BDSM em que ele vive. O fato, é que Anastasia não é só ingênua, ela é virgem, o que choca Christian, afinal ela esta disposta a discutir vários assuntos com ele, sem ter a menor noção.

A história narrada no livro, obviamente, é a mesma que a do primeiro livro, quando foi narrado pela Ana. O que, com certeza, foi motivo de frustração para muitas pessoas. Apesar que eu nunca compreendi o que esperavam que o livro tivesse, sendo que foi falado que seria o primeiro livro da trilogia original, contada pelo mocinho, dessa vez. Enfim… Talvez, por isso, seja difícil fazer uma resenha, sem achar que eu estou falando mais do mesmo para as pessoas. Mas, o livro pelos olhos do Christian nos trás uma série de respostas para alguns questionamentos que, assim como a Ana, nós fizemos.

Cacete! A Srta. Steele está no controle das coisas e nem sabe disso. E, tolo que sou, estou deixando. 

Podemos ver como ele fez para encontrar Ana tão rápido, após ela ligar para ele bêbada. Sobre os livros de primeira edição que ele envia para ela e até mesmo sobre a tão polêmica compra da SIP, editora na qual a Ana trabalha. Confesso que esses dois últimos me surpreendeu um pouco, porque não foram bem do jeito que eu havia imaginado quando foi a Ana narrando. E também podemos acompanhar um pouco do dia a dia do Christian como o grande empresário que ele é. Suas reuniões, as relações com os funcionários, sua rigidez na forma de conduzir os negócios e entender porque ele ficou bilionário tão novo.

Além dessas respostas, podemos ver um pouco mais da relação entre Christian e Elena, a Mrs. Robinson. Como a relação deles é, como o contato. Mas, quanto ao passado, se você espera que narre mais dos encontros sexuais entre eles, não irá encontrar isso. O livro até trás alguns pontos, mas nada muuuuito aprofundado. Mas, só o que mostra, já é o suficiente para me fazer odiar ainda mais essa mulher e toda a perversão que ela submeteu o Christian.

No banho, me pergunto se ter que correr atrás de Ana a deixou mais interessante… ou se a própria Ana já é assim.

Quem também aparece mais é Leila, a ex submissa do Christian, que dá um pouco de trabalho para o casal no segundo livro. Pela visão do Christian, podemos confirmar que ela é o problema que fez com ele voltasse mais cedo da viagem a Savannah e até umas pequenas memórias pontuais, com relação ao comportamento que ela tinha na época em que eles eram dom e sub.

Pra mim, o livro do Christian serviu para podermos entender a cabeça dele, mais amplamente. Conseguimos compreender porque o Dr Flynn – psicólogo do Christian – falava que ele era um adolescente emocionalmente falando. Christian teve uma infância muito ferrada e, apesar de já sabermos disso, são com os pesadelos dele que podemos entender o quanto era ruim. Mas, os sonhos se tornam bons quando ele dorme com a Ana e podemos acompanhar os poucos momentos felizes que ele teve com sua mãe biológica e depois com sua família adotiva. Confesso que a cena em que ele segura Mia – sua irmã – foi muito fofa e emocionante, não só pela reação dele, mas da mãe também.

Estou muito orgulhoso de Ana. Ela conseguiu. Fez tudo o que eu queria. Ela é tudo o que eu quero. E, de repente, sou tomado por uma emoção desconhecida, que rasga meus nervos e ossos, me deixando inquieto e com medo. 

Falando nos irmãos, preciso comentar sobre a relação entre Christian, Elliot e Mia. Os dois irmãos tem várias cenas e diálogos até engraçados. Confesso que coisas que eu não esperava que o Christian tivesse com o irmão. Chega a ser engraçado o quanto Elliot zoa o Christian e em pensamento, o mesmo só fica na maior vibe “você não faz ideia”. Já com Mia, dá pra ver o amor que Christian tem pela menina. Mesmo falando que ela é irritante, ele tem a maior paciência com ela e toda sua falação, bagagem e empolgação em conhecer a primeira mulher que Christian apresentou para família.

Voltando aos sentimentos do Christian, podemos ver que ele é inseguro, o tempo todo acha que a Ana vai largá-lo e não enxerga o quanto já está apaixonado pela doce Ana. E é ainda mais tocante quando ele diz que não é digno de não ser amado por ninguém. Acho que as cenas finais, pelos olhos dele, carregam ainda mais um toque de drama do que pela visão da Ana. Ele perde, totalmente, o prumo, de modo que até seus funcionários notam a gritante diferença.

Ela não pode amar um monstro. Ela não pode amar um filho da puta. Precisa ir embora. Precisa sair daqui. E, em um instante, tudo fica absolutamente claro. Minha ficha caiu. Não sou capaz de fazê-la feliz. Não consigo ser o que ela precisa. 

Preciso dizer que eu sou um pouco defensora da série em alguns âmbitos e que com o livro do Christian, só reforçaram isso. Existem coisas que o Christian faz durante os livros que me incomodam? Claro, o terceiro livro ta aí pra não me deixar mentir – e nem com a narrativa dele eu irei perdoar haha -, mas acho que esse me fez entender e compreender um pouco mais o lado dele.

A divisão dos capítulos é feita de forma diferente dos livros da Ana. Aqui, eles são divididos pelos dias vividos, o que faz com que alguns capítulos sejam gigantes! Mas achei isso super legal, é diferente, né?! Mas o livro vai um pouco mais além do que o da Ana. Ele já termina em acontecimentos do segundo livro, com o quase reencontro dos dois.

Repasso o último mês na minha mente em um piscar de olhos: […] E me dou conta de repente que apreciei cada minuto. Cada segundo exasperante, divertido, engraçado, sensual e carnal dela… Sim, apreciei. Percorremos um caminho extraordinário, nós dois… bem, eu, com certeza. 

Eu gosto muito do trabalho da editora. As folhas são amareladas, com letras confortáveis para leitura e quando se trata das partes do contrato ou da troca de emails entre eles, é bem dividido.

331.JPG

Grey vem para realizar o desejo de muitos fãs em entender o lado do mocinho da história e acho que faz isso bem. A Erika mostra todo o conflito que começa a acontecer na cabeça do Christian do momento em que ele conhece Anastasia até a hora em que ele entende que não quer mais viver sem ela. E com o bônus que não temos que lidar com uma “deusa interior” chatinha haha. O livro deixa margem para uma continuação, claramente. E depois de muita espera, finalmente, ela esta chegando. Grey leva cinco Angélicas.CLASSIFICAÇÃO 5 ANGÉLICAS

29 comentários em “Resenha ‘Grey – E.L. James’

  1. Ameeiiii a tua resenha sobre Grey …. Já virei a tua fã… Faz bem pouco tempo que entrei na sua página e já estou adorando. … Infelizmente são poucas as pessoas de cabeça aberta que entendem essa trilogia…. 😘😘 Cris

    Curtido por 1 pessoa

    1. Ai Cris, que comentário mais lindo! Fico tão feliz de ler isso. São esses comentários que fazem tudo valer a pena! E fico muito feliz que esteja gostando da página.
      E sim, nem todo mundo tem. E eu até entendo. O que eu não entendo são as críticas pesadas em relação a quem gosta. Beijos.

      Curtir

  2. Muito massa a ideia do livro. Certamente, trata-se de uma obra polêmica, assim como a trilogia anterior, mas, pelo que vc disse, acho q dá para entender bem a cabeça de Christian (nunca pensei q ele fosse inseguro!). Agora, acompanho o blog já faz um tempo, mas o que me deixou mais curioso foi o tanto de “menininhas lendo livro” que você deu! Acho q nunca tinha visto 5 juntas! Bom indício de que devo ler este livro em 2018 😀

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi Luca! Com certeza é polêmica, acho que não só com que envolve esses livros em si, quanto os outrls hots. E sim, nem eu. Fiquei passada com a insegurança dele em vários momentos, mas acho que é bom para entender ainda mais ele.
      E ai, é tão lindo ler que você nos acompanha ❤ então, as menininhas lemdo livro haha adorei, são a Angélica. Foi o nome que demos a nossa bonequinha. Que até hoje não lembro como surgiu rs. Sério que nunca viu 5? Eu costumo dar entre 4 e 5 delas, porque me sinto mal de dar menos, confesso. Até porqe a única vez que dei 3, a autora e suas fãs me atacaram, e olha que fui pontual no que não gostei, mas ainda incentivei a leitura das outras pessoas. Enfimmmm kk
      Se for ler, torço para que goste!

      Curtir

  3. Já li 50 tons e amei, porem nn terminei todos da serie ainda. Assisti os filmes lançados e tbm gostei mt, nn se compara ao livro claro kkk. Qnd vc citou “paginas amareladas” eu pirei, odeio livros c folhas brancas, amareladas deixa td mais bonito, da m charme a mais na minha opiniãokk. adorei a resenha.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi Joyce. Ah, apesar de amar os livros, também não acham que se comparam mesmo. E ai, folhas amareladas são vida! Sei que com o tratamento da foto elas ficam mais branquinhas do que são, mas na real, são do jeito que amamos. Que bom que gostou.

      Curtir

    1. Oi Simeia. Nem todo mundo gosta. E achei legal você dar para sua cunhada. Gostaria que todos vocês assim. Vejo absurdos (algumas vezes misturados com ofensa) de quem não gostou em relação a quem gosta. Haha tomara que ela pire que nem a gente. Beijos.

      Curtir

    1. Oi Jaque. Ai, eu também. Na época do lançamento, eu peguei em inglês mesmo haha. Dessa vez esperei Darker, tava mt caro o ebook :/ mas já li e já já tem resenha aqui no blog!

      Curtir

  4. Eu acredito que eles foram muito inteligentes em aproveitar todo esse sucesso do 50 tons e transformar a versão do livro para a narração do Grey.
    Eu não curto nenhum dos livros e também não sou fã de literatura hot, mas tiro o meu chapéu para a autora já que sei que conquistar todo esse sucesso é algo muito difícil.
    Tenho uma crítica muito particular com a questão BDSM, mas não posso dizer nada sobre, já que não li o livro e não conheço a história a fundo.
    Mas sua resenha ficou muito bem feita. Parabéns!
    Beijinhos!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi Eliziane. Simmm. Fora que a Erika fez o que muitos fãs pediram e, geralmente, esperam, que é a versão do mocinho.
      Eu consigo enxergar que ela abrandou muito a temática de BDSM. Por pesquisas e até outros livros da temática, dá pra ter uma ideia beem diferente.
      Muito obrigada. Beijos

      Curtir

  5. Olá, tudo bem?

    Já li todos os livros e desde que Grey foi lançado eu o tenho na minha estante, mas confesso que não tenho no momento muita vontade de lê-lo. Acho que deve ser um livro no qual iremos compreender melhor o Grey e entender os “n” motivos que o levaram a ser como é. Muitas pessoas consideram que a visão dele é melhor do que a da Anastasia, então se me deixa curiosa.
    Acho que vou esperar lançar o último livro para ler todos. Ah, preciso dizer que adoro essa capa e a edição parece linda mesmo!

    beijos!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi! Ai, concordo em partes que ele é melhor que a versão dela haha. Adoro a Ana, mas a deusa interior dela me deixa maluca algumas vezes rs
      E ai, eu espero é que esse último não demore haha
      Também adoro essa capa! Beijos

      Curtir

  6. Amei a resenha… vc resumiu bem o sentido do livro!!!
    Eu gosto muito dessa história na narrativa do Christian e estou ansiosa para ler Darker (P.S. será que só eu que não consigo me acostumar com o título Mais Escuro?)
    Beijos

    Curtido por 1 pessoa

  7. Eu comprei o primeiro e o segundo livro de “50 Tons de Cinza”, agora falta o terceiro e esse. Confesso que de todos esse é o que mais quero ler pq mesmo que não tenha lido os outros meio que tenho um noção por causa dos filmes. Mas esse é diferente, apesar de sim ser a mesma história, o ponto de vista é do Grey e eu estou curiosa para conhecer a história pelos olhos dele.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s